31 de mar de 2015

O melhor treinador é aquele que ganha

É muito frequente ler frases como a do titulo. Julgar o treinador com base nos resultados da sua equipa é uma situação bem frequente mas peca por ser bastante redutora. O treinador, assim como qualquer funcionário de um Clube, deve ser avaliado com base no sucesso ou insucesso das situações que são da SUA responsabilidade. É aqui que reside o grande problema quando se avalia um treinador, ou seja, o que é responsabilidade do treinador? 

Muitos são os adeptos que avaliam um treinador com base no resultado final ou no nº de troféus ganhos no final da época, mas esquecem-se de tudo o que contribui para esse desfecho. Um treinador pode ser o mais competente durante a semana de treinos, durante os 90 minutos e o resultado ser uma derrota por 3x0 frente a um treinador que durante a semana não preparou a equipa da melhor maneira. Confuso? 

Exemplo: O treinador da equipa A, sabendo que o adversário que ia encontrar na próxima jornada deixa muito espaço entre a linha defensiva e a linha média, preparou a sua equipa para que os médios recebessem a bola nesse espaço e a partir daí, enquadrarem e criarem situações de finalização. A semana de treinos correu na perfeição e os comportamentos que o treinador queria ver no jogo estavam assimilados pelos jogadores. Começou o jogo. Os lances em que a bola entrou entre a linha média e a linha defensiva foram mais de 10, mas infelizmente para o treinador da equipa A, o ultimo passe saiu quase sempre com mais velocidade do que o ideal e nas poucas situações em que o passe foi bem executado e a bola entrou num dos avançados, a receção foi mal feita e o lance terminou sem perigo. Ao minuto 90, ainda com 0x0 no marcador, um dos defesas da equipa A, ao movimentar-se de modo a controlar a profundidade nas suas costas escorrega e permite ao avançado da equipa B fazer o golo e dar a vitória à sua equipa. 

Que conclusão podemos retirar? É que o treinador da equipa B é mais competente do que o treinador da equipa A, apenas porque no final do jogo a vitória sorriu à sua equipa? Obviamente que não. Foi o treinador da equipa A que melhor preparou a sua equipa, foi a sua equipa a mais organizada em campo, quer no momento defensivo como no momento ofensivo. O treinador pode e deve ser julgado sim, mas pelos comportamentos que a equipa apresenta que são da sua responsabilidade. A equipa defende de forma compacta ou deixa espaço entre sectores? Sabem controlar a largura e profundidade? A atacar, é cada um por si ou há várias linhas de passe ao portador da bola? Terminam as jogadas todas com cruzamentos ou procuram circular a bola até criar condições para penetrar pelo corredor central? É nisto que o treinador tem influência e é com base nisto que deve ser julgado. 

É impossível avaliar correctamente o trabalho de um treinador com base no resultado final ou no nº de troféus ganhos isto porque nem todos os treinadores estão inseridos no mesmo contexto. A qualidade individual das equipas, a sorte, os árbitros, o estado do relvado etc são factores que contribuem e de que maneira para o desfecho de um jogo ou de uma época pelo que julgar o treinador com base no resultado final é demasiado redutor. Pode um treinador, sem nunca ter ganho nada, ser melhor treinador do que um que já venceu uma Champions? Obviamente que pode, e o futebol está cheio de exemplos desses. 







29 de mar de 2015

Thierry Henry

Quem sabe nunca esquece! Mesmo num jogo a brincar, Henry a mostrar como se resolve uma situação de superioridade numérica, neste caso, 3x2. Além de fixar o defesa ainda lhe trocou os olhos


20 de mar de 2015

«Provámos que sabemos jogar em ataque continuado» Sérgio Conceição

Oh Sérgio, desculpa lá a frontalidade mas tu vês mal não vês? Então tu achas, que o que a tua equipa fez durante os 90 minutos prova que sabem jogar em ataque continuado? Mas o que é que tu viste que te leva a concluir isso?! Custa-me a acreditar que não tenhas visto os teus jogadores a terminarem quase todos os lances ofensivos com cruzamentos, cruzamentos esses que não eram de todo a melhor opção visto que na área as condições eram de inferioridade numérica. 

Como é que é possível afirmares que sabem jogar em ataque continuado quando não conseguem fazer uma jogada que desorganize o adversário? Sinceramente oh Sérgio! Então tu vês 90 minutos como os de hoje e ainda tens a lata de vir dizer tamanha barbaridade? Não conseguiram nunca jogar por dentro com qualidade, salvo raras excepções em que um jogador pegou na bola e foi por ali fora. Nunca obrigaram o adversário a bascular para um lado para depois entrar pelo outro. Nunca conseguiram deixar jogadores enquadrados com a ultima linha da Académica. 

Olha lá, então tu, para justificares que sabem jogar em ataque continuado e que mereciam ganhar o jogo, dizes que o Braga fez 50 ataques? Mas o que é que uma coisa tem a ver com a outra?!  A qualidade é que importa, não é a quantidade. Ai Sérgio Sérgio.

Para terminar a tua bela análise, ainda vens afirmar de peito aberto, que o Braga vai estar na final da Taça de Portugal, Acho que não o devias ter feito. Em primeiro lugar porque estás a desvalorizar e a dar motivação ao teu adversário, e em segundo lugar porque com o futebol que a tua equipa pratica, nem que o adversário fosse da 2ª divisão era certo que o Braga passasse a eliminatória. 

18 de mar de 2015

Dá gosto ver, não é Guardiola?

Com executantes destes tudo é possível, tudo parece fácil. Incrível a facilidade com que os jogadores do Barça apareceram enquadrados com a linha defensiva do adversário e a partir daí criaram situações claras para finalizar. Muito difícil para qualquer equipa parar tantos jogadores com tanta qualidade técnica, inteligência e criatividade se estes estiveram num dia inspirado. Seja na defesa, no meio campo ou no ataque, é absolutamente incrível a facilidade com que os jogadores do Barça saem da pressão adversária com critério e qualidade. 

Ainda mais incrível é a quantidade de vezes que Messi consegue deixar os colegas na cara do guarda-redes adversário. Progredi, temporiza, solta e lá está um colega na cara do guarda-redes da equipa adversária. Faz o que quer, quando quer e como quer. E dá cuecas! 




P.S- Que exibição monstruosa de Joe Hart!


2 de mar de 2015

Jackson Martinez

Jackson Martinez é sinonimo de golos mas é muito mais que isso como ficou mais uma vez provado ontem no Dragão. O colombiano é qualidade a servir como apoio quando baixa uns metros no terreno, é qualidade quando explora o espaço nas costas da linha defensiva adversária, é qualidade quando do nada inventa um lance com um toque artístico. No fundo, Jackson Martinez  é top mundial porque não joga apenas um momento do jogo, joga-os todos, e todos com grande qualidade. 

© Domínio Táctico 2012 | Blogger Template by Enny Law - Ngetik Dot Com - Nulis