14 de jun de 2015

Processo de treino, objectivos e feedback

Não é difícil para qualquer pessoa, muito menos para um treinador de futebol, ter acesso a mil e um exercício de treino. Seja através da internet, de livros ou conversas com outros treinadores. é muito fácil um treinador conseguir encontrar vários exercícios de treino. A parte mais complicada é perceber para que os exercícios servem, ou seja, quais os objectivos dos mesmos e qual o comportamento que é potenciado com a aplicação daquele exercício. 

Há uns dias assisti a um seminário de futebol em que estava presente um treinador da uma equipa da 1ª Liga Portuguesa. Ao mostrar os exercícios de treino que utilizou durante a semana de preparação para um determinado jogo, a frase mais ouvida foi "Não me digam que isto é um exercício de posse de bola porque não é! O que me interessa neste exercício é como é que estes jogadores pressionam o portador da bola e fecham os espaços" (se não foi isto, foi algo muito parecido). Isto para dizer que, o mesmo exercício pode servir para potenciar comportamentos muito distintos, Tudo está dependente dos objectivos definidos pelo treinador e pelo feedback fornecido aos jogadores durante a sua execução. 

Por exemplo, um exercício assim "desenhado" pode potenciar comportamentos muito diferentes, senão vejamos:
  • Promover a ligação intersetorial entre a linha defensiva e a linha média na fase de construção. Os 2 centrais de amarelo (nº´s 4 e 5) e o médio defensivo (nº 6) devem conseguir bater a pressão dos 2 avançados adversários e ultrapassar as balizas dos cones com a bola controlada para posteriormente entregar a bola num dos médios.
  • Pressão da linha avançada. Os 2 avançados de azul (nº 9 e 11) devem pressionar os 3 adversários de modo a dificultar a fase de construção do adversário. 
  • Coberturas defensivas. Sempre que a bola entrar num dos médios de amarelo, os jogadores azuis devem ter em atenção a zona da bola a distância entre o jogador na contenção e a dupla cobertura
  • Criação de situações de finalização em superioridade numérica. Assim que um dos jogadores de amarelo conseguir passar a bola, por entre os cones e esta seja recebida por um dos médios do outro lado, o jogador amarelo mais perto dos médios pode junta-se a eles transformando o exercício num 4x3 com o objectivo de finalizarem em qualquer uma das duas balizas. 

Estes são apenas alguns objectivos que podem ser alcançados com um exercício deste género. Obviamente que cada exercício tem um foco e só o treinador o conhece no pormenor (não adianta filmar os treinos ou meter o Luisão a dá-los).  Por exemplo, se o objectivo do exercício passar por promover a ligação intersetorial entre a linha defensiva e a linha média na fase de construção, o feedback do treinador deve estar mais direccionado para os comportamentos dos defesas centrais com bola, ou seja, para a maneira como procuram criar espaço para sair em progressão mas também para o ajuste que os médios fazem para posteriormente receber a bola. Se por outro lado o objectivo do exercício forem os comportamentos sem bola dos médios, o feedback do treinador já estará mais direccionado para os triângulos defensivos (contenção-cobertura)

Em suma, mais importante do que escolher os exercícios é definir claramente quais os objectivos e comportamentos que queremos ver potenciados com a aplicação daquele exercício e quais os feedbacks mais indicados a serem utilizados para guiar o jogador a descobrir a melhor solução em função dos objetivos pretendidos. 






6 comentários:

CL disse...

Totalmente de acordo.

Mais importante que ter um grande exercício é saber o quer quero ver que aconteça nele, não deixar o exercício correr por correr mas definir critérios de êxito para intervenção.

Só acrescentaria uma coisa, a definição de variantes facilitadoras/dificultadoras do objetivo durante o exercício, importante ter essa sensibilidade de observação e tomada de decisão.

Honoris disse...

De acordo CL.

Não refiro isso no artigo mas estão sempre presentes nos meus planos de treino. Facilita muito a observação sim.

Blog de Portugal disse...

Sim, já ter pré-definido variantes ajuda depois na intervenção no campo, mas sabendo que esse plano pode não ser seguido.

Já agora, o seminário de futebol foi o organizado pelo Hernâni Gonçalves, na FADEUP?

Honoris disse...

Não Blog de Portugal :)

Roberto Baggio disse...

Mt bom Honoris!

Jorge disse...

Honoris:

Excelente artigo, muito obrigado por mais um blog de qualidade.

Eu nao tendo um leque muito vasto de exercicios (sou treinador amador sem qualquer tipo de formacao de treinador) costumo usar os mesmos exercicios (muito frequentemente 3v2 ou 4v3) para trabalhar varios aspectos do jogo e gosto de ver que a ideia (apesar de implementade de uma forma mais basica no meu caso) faz sentido.

© Domínio Táctico 2012 | Blogger Template by Enny Law - Ngetik Dot Com - Nulis