23 de jul de 2015

Exigências competitivas. Futebol de formação

Quando se fala sobre o futebol de formação e o desenvolvimento dos jovens jogadores é quase impossível não se falar da exigência competitiva a que cada jovem está sujeito. Os estímulos, quer ao nível do treino quer do jogo terão sempre de ser os mais indicados, os que mais favorecem a aprendizagem do jovem jogador. Só garantindo, entre outros factores, uma exigência adequada é possível que o jovem jogador evolua o máximo que for exequível. 

É aqui que surge, na maior parte dos casos, o grande problema no processo de aprendizagem dos jovens jogadores. Quais são os estímulos mais indicados para o jogador X? Qual o escalão em que o jogador Y deve jogar? Obviamente que não é fácil ter a certeza absoluta de qual é o estimulo ideal para cada jogador, nem será fácil, em contexto de treino conseguir individualizar, mas há várias situações em que é mais que óbvio que aquele jogador já não está a aprender nada com aquele nível de exigência. 

São vários os casos em que vemos treinadores de formação, a utilizar jogadores mais velhos (biologicamente falando) em escalões mais baixos para que a equipa consiga vencer mais jogos com maior facilidade. Mas o que é que o jogador aprende nesse nível de exigência? Quais são os estímulos a que está sujeito que o vão fazer crescer enquanto jogador? Se tudo for demasiado fácil para o jogador, como é que ele irá errar e com isso aprender?

O contrário também se verifica. Num clube meu conhecido, alguém teve a ideia de colocar a equipa de Benjamins A a competir no escalão de Infantis B sem que a qualidade dos miúdos o justificasse (apenas 1, talvez 2 tenham qualidade a mais para competir no escalão de Benjamins A). O que é que vai acontecer a estes miúdos durante a época que se aproxima? Qual será a evolução que irão apresentar no final da época, se vão passar a maior parte dos jogos sem conseguirem trocar a bola entre si mais que 3s seguidos? Como será que os miúdos vão reagir ao facto de, durante a semana, competirem, no treino, com adversários do seu nível, e ao fim de semana enfrentarem adversários muito melhores que eles?

Há que ter a sensibilidade de perceber a que exigência os jogadores devem estar sujeitos, tendo sempre em conta, não a idade real mas a idade biológica de cada um. Os treinadores de formação devem cada vez menos pensar no resultado de cada jogo e na classificação no final da época, concentrando-se apenas na evolução dos seus jogadores, para que estes, no futuro, sejam capazes de ter todas as ferramentas necessárias para triunfar.  







15 de jul de 2015

Pablo "El Mago" Aimar

Após o anuncio do final da carreira, resta-nos agradecer por toda a magia que espalhou pelos relvados por onde passou. Um dos melhores de sempre a jogar em Portugal, por toda a qualidade técnica, inteligência e criatividade que demonstrou a cada toque na bola.


 Obrigado Pablito Aimar!!

2 de jul de 2015

Visão de Picareta


Apesar da constante evolução de que o futebol tem sido alvo desde há muitos anos, continuamos a ouvir/ler muita coisa que nos faz questionar se estamos em 2015 ou em 1950. São vários os artigos, relacionados com o futebol, que contém afirmações que deixaram de ser verdadeiras há demasiados anos, para ser aceitável que sejam ditas em sítios onde se fala de futebol, por gente que supostamente percebe de futebol. 

É-me de difícil compreensão como é que em pleno século XXI há gente que considera, por exemplo, que há avançados de 4x3x3 e avançados que não são de 4x3x3. Devo confessar que após a leitura desta pérola, procurei logo tentar perceber, junto do autor da afirmação, o que são avançados de 4x3x3 e o que acontece quando esses avançados jogam noutro sistema táctico que não o 4x3x3. Infelizmente, a apesar do 25 de Abril já ter sido há bastantes anos, o meu comentário nem aceite foi, pelo que a minha dúvida permanece: O que são avançados de 4x3x3? 

Teoria Nº 1- Os avançados de 4x3x3 são os únicos avançados que podem jogar numa equipa em que os 4 defesas só defendem; o médio defensivo só destrói; os extremos só cruzam; e o avançado só finaliza. 

Teoria Nº 2- Os avançados de 4x3x3 são os avançados mais anti-sociais que há no Mundo do futebol pelo que só aceitam jogar sem a companhia de outro avançado.

Teoria Nº 3- Os avançados do 4x3x3 são aqueles avançados que na escola nunca sabiam quais eram os números pares e ímpares. 

Teoria Nº 4- Os avançados de 4x3x3, são, como diria Jorge Jesus, avançados de equipa pequena.

Teoria Nº 5- Os avançados de 4x3x3 são constituídos por moléculas de 4 átomos de carbono, 3 de hidrogénio e 3 de oxigénio que, perante a presença de sistemas tácticos com outros algarismos, se tornam instáveis e acabam por se desintegrar. Nota: estes avançados, embora possam jogar em sistemas de 3x3x4 e 3x4x3, são, ainda assim, demasiado volúveis em tais circunstâncias, não podendo ser manipulados sem auxílio de uma grande dose de picaretice. (Artur Semedo)

Teoria Nº 6- Os avançados de 4x3x3 são, como a matemática indica, avançados de 36. se estamos a falar de golos por época, de anos de vida ou de tamanho de...chuteira, só Deus sabe! (Artur Semedo)

Agora a sério. Estamos em 2015, não faz sentido nenhum continuar a dizer barbaridades deste género. Como é que alguém que supostamente percebe de futebol pode afirmar que um avançado é avançado de um único sistema táctico? Qual será, na mente brilhante do autor daquela afirmação, a diferença entre avançados de 4x3x3 e avançados de 4x2x3x1 ou 4x5x1? Sinceramente tenho muito curiosidade para saber. Será que o Messi é um avançado de 4x3x3? Não me digam que o Guardiola andou a jogar com um avançado de 4x4x2 no lugar de um avançado de 4x3x3!!!!! Boa noite. 


© Domínio Táctico 2012 | Blogger Template by Enny Law - Ngetik Dot Com - Nulis