6 de dez de 2015

As dificuldades do Sporting de Jorge Jesus

Há uns dias, comentava o seguinte,num post sobre o Sporting:

As dificuldades em criar situações claras de golo contra equipas muito fechadas são facilmente perceptíveis. Na minha opinião, estas devem-se a:
1) Extremos com pouca capacidade para desequilibrar em condução. Nem João Mário nem Ruiz tem como principal característica o facto de serem fortes no 1x1. Havendo muitos jogadores adversários atrás da linha da bola, e tendo em conta o modelo de jogo do JJ (muito importante dado que se fosse um modelo mais "paciente", com mais circulação antes de tentar penetrações, talvez não fosse tão preciso este tipo de extremos que referi) é necessário que alguns jogadores tenham capacidade para "bater" o seu marcador directo e ir embora, obrigado o adversário a ajustar e com isso abrir espaços para penetrar
2) Falta de criatividade do nº 8. Adrien não é um médio criativo nem forte em condução. Não consegue quebrar linhas e com isso obrigar a desajustes defensivos. 
3) Falta de qualidade dos habituais avançados titulares, no que diz respeito jogo interior. Contra adversários muito recuados, com pouco espaço entre linhas, é fundamental que os avançados (que no modelo do JJ baixam muito para servir de apoio) tenham qualidade técnica para receber e passar mas também para conduzir, caso haja espaço para enquadrar.
Num modelo de jogo como o de Jorge Jesus, ou seja, um modelo mais vertical do que paciente, torna-se fundamental ter jogadores com as características referidas. Ontem, apesar de terem jogado 2 avançados mais fortes na receção e no passe e um extremo mais forte no 1x1, o Sporting voltou a ter muitas dificuldades em desorganizar o adversário (jogo marcado por muitos erros individuais). Há  comportamentos bem definidos, mas faltam os tais "rasgos" individuais que o modelo de Jesus tanto necessita. Nota-se a cada jogo que passa, a falta que fazem os desequilíbrios causados pela condução de bola, seja dos extremos ou do nº 8. 
Fazem muita falta este tipo de lances. Lances em que o portador da bola, em condução, consegue bater a contenção e com isso obrigar a linha defensiva a ajustar. São este tipo de lances, no modelo de Jesus que causam dúvida nos jogadores adversários (quem sai ao portador agora?; Quem ajusta? ). Este tipo de ações individuais são determinantes para o sucesso ofensivo do modelo de Jesus. Sem elas, o Sporting mostra grande incapacidade em criar situações claras de golo, que não sejam através de cruzamentos, apesar de por vezes acontecerem lances como este, em que com passe e movimentação se criou uma situação clara de golo






13 comentários:

Pedrooo317 disse...

Estão a ser muito repetitivos. Boa análise mas nada que já não tenha sido dito e "redito".

JMF disse...

Portanto, mesmo num jogo em que Adrien voltou a ser o melhor jogador de campo do Sporting, mesmo depois de ele voltar a provar que é um jogador absolutamente essencial para o melhor treinador de Portugal, vai-se analisar o jogo sob o prisma (e com uma imagem)de que ele "não transporta bem a bola"...
Ser crítico é muito fácil...
Eu também gosto mais de ver jogar o Chico Geraldes, mas será que não dá para compreender que o futebol também se joga com raça, alma, coração, poder de liderança, inteligência (sim, o Adrien joga com grande inteligência, ou acha que o "JJ" o papava de outra forma?),força física e determinação?
Não é por você continuar a odiar o Adrien que ele vai deixar de jogar cada vez melhor (embora nunca com a qualidade técnica de Geraldes)...

JMF disse...

Original seria se, em vez de um post sobre as "dificuldades" do Sporting de JJ, apresentasse um outro sobre as "facilidades" em meter gente na área... Não deve ter reparado, mas na altura do golo estão 6 felinos infiltrados na área do Marítimo (Adrien, Ruiz, João Mário, João Pereira, Gelson, Montero, estes 3 últimos também à espera para concretizar, contra 6 defesas). Chama-se a isto “Futebol” (do bom)...

Honoris disse...

JMF, se não entendeu que eu elogiei o tipo de acção do Adrien apesar do passe errado, então n vale a pena discutir mais nada

JMF disse...

Mea Culpa... Peço então desculpa pela minha precipitação no passe (travado entre linhas mal lidas)...

Gonçalo Matos disse...

Como alguém disse ha uns tempos o plantel do SCP deste ano não é assim tao melhor que o do ano anterior, se tivermos em conta que perdeu o Nani e o Carrillo.

bio disse...

Numa opinião muito própria, o 11 é pior. Nani e Carrillo seriam grandes mais valias neste esquema.
Pode haver mais soluções, mais qualidade no treino, mas estes 2 dariam um jeitão.
Bom post Honoris, não sei o que falta ao Sporting, talvez mais confiança para os jogadores possam partir para o 1x1 como referes.
Porque podem não ser um loucos do drible, mas sabem e são capazes.

Gonçalo Mano

DM disse...

Eu tenho uma opinião substancialmente diferente. Se por um lado, concordo que tanto JM e Ruiz sejam mais jogadores de pausa que jogadores de vertigem, por outro creio que o principal problema do Sporting contra estas equipas não passa substancialmente por aqui, até porque temos sido bastante "pacientes" na hora de tentar as penetrações. A mim parece-me que o problema é a falta de velocidade coletiva. Os jogadores ainda não estão "confortáveis" o suficiente para acelerar o jogo com regularidade. Para serem mais rápidos na execução, praticamente sem precisarem de pensar para executar pois já sabem que na zona para onde colocarem a bola vai estar lá alguém para a receber. O chamado "jogar de olhos fechados". Claro que se jogarmos com Matheus e Gelson nas alas vamos ser mais rápidos. Mas ainda assim, creio que em Fevereiro/Março com mais tempo de treino dentro deste modelo vamos conseguir criar com mais regularidade situações de finalização como a que deu golo na Madeira.

O lance do golo é um bom exemplo que mostra a "velocidade" que conseguimos imprimir quando se tentam "jogadas de laboratório".

Blessing disse...

A teoria de que o Montero ia melhorar aquilo por si só já caiu. Como tenho dito, Montero, sozinho não muda nada. É preciso entrar com ele outras mudanças na equipa, e mudanças no modelo de jogo. Porque Montero é mm mto bom. Mas não tem, por exemplo, a capacidade individual de Jonas.
Portanto é preciso é tempo, como diz o DM e bem para as dinâmicas entrarem. E jogadores como Carrillo, ou Bruno César. Fortíssimos a quebrar linhas em condução. Fortíssimos tecnicamente ao nível dos recursos na criação e finalização. Ao contrário dos miúdos.

Anônimo disse...

Até é relativamente fácil ver isto no jogo do sporting. Creio que nao tenha sido por acaso que contra o lokomotiv em que o scp marca 4 tenha criado muitas mais situaçoes de golo, com montero e ruiz na frente e j mario a 8. Alias, logo a seguir, contra o belem, o sporting com grandes dificuldades em criar desiquilibrios, gelson rendeu adrien e no primeiro toque na bola de j mario a 8 saiu um passe a queimar 2 linhas do bloco. Acho que a maior perda com o carrilho nem é na ala, é no centro dada a "obrigaçao" de tirar de lá j mario.

Anônimo disse...

Honoris o Sporting de Marco silva defendia à zona ou ao homem?

Honoris disse...

Zona mas os centrais marcavam HxH (não sei se por indicações do Marco ou porque simplesmente a zona era mal trabalhada)

Anônimo disse...

Eu nisto não percebo muito, como via os centrais daquela maneira pensei que defendiam ao homem xD Obrigado.

© Domínio Táctico 2012 | Blogger Template by Enny Law - Ngetik Dot Com - Nulis