14 de jan de 2016

Tomada de decisão: contexto ou posição?

Um lance que traduz na perfeição as palavras do Nuno do fantástico blog EntreDez
Para muita gente, um lateral deve ter tarefas como subir pela faixa, cruzar, dobrar os centrais, etc. Não concordo com esta visão redutora da coisa. Um lateral, como outro jogador qualquer, tem por missão ocupar a sua posição e tomar a melhor decisão a cada momento. As suas tarefas são, pois, coisas gerais, que se pedem a todos os jogadores. A diferença está no facto de o seu espaço de acção não ser o mesmo. Assim, é a posição em relação aos colegas que é diferente. E é, portanto, o espaço geográfico que deve ocupar que determina o seu comportamento e não o contrário 





Não se trata de criticar o jogador em questão (que até aprecio bastante) mas sim as pessoas que ainda acham que um jogador deve decidir em função da posição que ocupa em campo e não em função do contexto que se verifica no momento em que tem que tomar uma decisão, seja ela com ou sem bola. No lance em questão, e apesar do portador da bola ser um lateral, a decisão mais indicada, que aproximava mais a equipa do sucesso em função do contexto, seria conduzir a bola em direção ao corredor central ou passa-la para o jogador que se encontrava no corredor central, com possibilidades de enquadrar para a linha defensiva do Liverpool. O lance até termina em golo, mesmo depois de Bellerin ter reduzido as hipóteses de sucesso, mas isso pouco importa para o tema em questão. O que realmente importa é perceber que o jogo é demasiado aleatório para que um jogador tenha que decidir apenas em função da posição que ocupa em campo. 


8 comentários:

Jose Castro disse...

Fantástico. Isso quer dizer que um jogador se tiver muita inteligência a jogar pode jogar em qualquer posição, claro tendo em conta o nível de adaptação a uma nova realidade?
Por exemplo, o Messi podia ser lateral esquerdo?

PP disse...

Por acaso o Clyne também fez movimentos idênticos do lado do Liverpool. Ou seja, não se limitou apenas a ir à linha de fundo. Muitas vezes procurou o corredor central, com o Ibe a fugir para a linha tentando criar espaços no corredor central para o Clyne explorar.

Já agora, finalmente isto parece ser uma tendência no futebol ao mais alto nível. Até agora, só o Bayern de Guardiola fazia isso com regularidade, com Lahm e Alaba.

Salientar que para se fazer isso, é preciso que os companheiros de ataque e meio-campo ajudem o lateral em termos de movimentações. Se estes ficarem estáticos no corredor central, o mais certo é o lateral ir embater numa parede de pernas ou perder a bola num passe para ninguém...

Btw, jogo espectacular!

PP disse...

Só mais um pormenor, o Bellerin não queria passar ao Giroud nesse lance. Ele procura a desmarcação de Ramsey, que é interceptada pelo Sakho e o ressalto sobra para o Giroud. E que grande pormenor do francês antes de rematar.

;)

Dipeca disse...

Estás a referir-te ao momento após primeira finta, em que pode meter para dentro? Apesar de dentro haver espaço, ele parece fazer a finta em relação aos apoios do defesa, ou seja, na direção oposta. Portanto para ele o contexto naquele momento era o 1x1 e não a potencial situação de perigo.

Tb podemos argumentar que ele esticou a defesa em largura antes de voltar a meter por dentro...

Honoris disse...

Dipeca,

O lance tinha muito mais potencial se ele conduzisse ou passasse para dentro, apesar da orientação dos apoios do adversário. Com a condução dele para o corredor lateral, deu tempo aos adversários de bascularem para a zona da bola

Dipeca disse...

Honoris,

eu não ponho em causa o potencial do lance. Apenas estou a dizer que ele naquele momento não teve tempo/espaço/capacidade de ver e analisar o potencial da situação à entrada da área e apenas está com a mente no 1x1 que tem e aí decide a finta para o lado contrário à orientação dos apoios do defesa. Depois dessa finta ele até podia ter feito aquilo que mtos laterais "potentes" fazem: mandar cruzamento mto forte para a área, mas ele vê colega na direção do corredor central e deixa lá a bola.
Portanto, no momento da segunda finta acho que ele não viu o potencial da situação de perigo, mais do que ter a jogada decorada de ir à linha só pq sim. Mas eu nem conheço bem o jogador...

Dipeca disse...

Dito isto, concordo com o teu bom post :)

Honoris disse...

"Depois dessa finta ele até podia ter feito aquilo que mtos laterais "potentes" fazem: mandar cruzamento mto forte para a área, mas ele vê colega na direção do corredor central e deixa lá a bola."

Concordo totalmente. Eu até o considero um jogador que decide bem. Como disse no post, n se trata de criticar o jogador em questão mas sim as pessoas q acham q as decisões já estão pré definidas de acordo com a posição q o jogador ocupa em campo

© Domínio Táctico 2012 | Blogger Template by Enny Law - Ngetik Dot Com - Nulis