24 de fev de 2016

A obsessão de Guardiola: querer sempre mais e melhores maneiras de ganhar


Quando pensamos que mais nada nos pode surpreender em Guardiola.. Incrível a maneira como procura encontrar novas formas de dominar e controlar o adversário durante o máximo de tempo possível. 
Na ambição em querer marcar sempre, na qualidade dos processos ofensivos, na qualidade do posicionamento, é o melhor treinador da história. Também em transição defensiva Lateral Esquerdo

Heat map dos centrais do Bayern no jogo de ontem. Atenção que o ataque é da direita para a esquerda!!!!

Enquanto alguns deliravam com a organização defensiva da Juve...

22 de fev de 2016

O Real de Zidane e de Kroos

                               
O Real de Zidane, que de Zidane não tem nada. Uma equipa sem ideias, sem dinâmica e criatividade colectiva. Uma equipa com uma transição defensiva péssima e uma organização ofensiva que se resume à qualidade individual dos seus executantes. A bola circula de um lado ao outro e bem, mas com o objetivo errado. Em vez de obrigar o adversário a bascular para com isso abrir espaço para penetrar por dentro, o Real circula a bola em largura para cruzar. Se não dá de um lado, vai se ao outro e cruza-se. Em transição ofensiva, estica-se na frente, estejam ou não reunidas as condições para tal. Basta alguém fazer um movimento a pedir a bola na profundidade e lá vai ela. 

Kroos. Muita dificuldade em jogar dentro do bloco adversário. Dificuldades em perceber quando tem que conduzir a bola. Muita lentidão na movimentação para oferecer linhas de passe ao portador da bola. Pouca criatividade. 

 
 
Grande Kroos, a indicar ao colega para onde passar. E depois, ainda melhor, a ficar parado enquanto Isco tem de ir de um lado ao outro dar cobertura
Sim Kroos, n vale a pena correres antes da bola chegar aos pés do adversário.
Outros 2 que de inteligentes não têm nada, Marcelo, meio ano para reagir à perda de bola. Ramos, a fugir da zona da bola, mais preocupado com o jogador do que com a baliza.
A facilidade com que se joga dentro do bloco do Real. A linha defensiva a não subir em situação de remate. Mais um pouco e o S.Ramos estava ao colo do Navas. 
Já na 1ª parte houve uma situação igual, que só não deu um lance de perigo porque o jogador do Malaga não colocou a bola na área, coisa que aconteceu neste lance. Palavras para quê?

 Isso Kroos. Corta a linha de passe do adversário para o arbitro. Contenção entre a bola e a baliza é coisa de menino

Classe de Modric a retirar a bola da zona de pressão. Depois Marcelo...

Jogar com o Isco a falso 9 e ser este o movimento mais visto é absurdo. 

15 de fev de 2016

Neymar, Messi e as virgens ofendidas

Ninguém olha da mesma maneira para o futebol, e aceitando todas as opiniões e gostos, há coisas que me são completamente difíceis de entender. A tendência para apenas olharmos para o lado negativo de um lance que acontece em campo é típico da mentalidade portuguesa no que diz respeito ao futebol. Vê-se um penalti como o de Messi, e a 1ª coisa que se diz é que é uma falta de respeito pelo adversário, é humilhação, é vergonhoso. Vê-se este lance de Neymar, frente ao Athletic, e as afirmações são as mesmas. 


Elogia-se e delira-se com equipas que ganham sem sequer tentarem jogador futebol, e criticam-se jogadores que além de ajudarem a sua equipa a ganhar, ainda tornam aqueles 90 minutos mais divertidos, mais animados, mais bonitos. Elogiam-se equipas que ganham com base no trabalho sem bola que fazem em campo, com base na agressividade com que disputam os lances, com base em bolas divididas mas criticam-se jogadores como Neymar por dar cuecas, cabritos e mais não sei o quê, que é uma delicia de se ver. 


Delira-se com entradas duras e correrias loucas porque isso mostra garra, vontade, paixão, mas criticam-se lances que levantam um estádio, que fazem do futebol um espectáculo agradável de se ver. 


7 de fev de 2016

O mais importante no futebol é a amizade: O Chelsea de Hiddink

As imagens que vão ver representam aquilo que o futebol tem de melhor: a amizade entre rivais. Obi Mikel e Matic demonstraram durante os 90 minutos o que verdadeiramente importa dentro de campo. Esqueçam as coberturas defensivas, os ajustes, a defesa zonal. Apenas a amizade importa. Muito bem Hiddink.



1 de fev de 2016

Ideias de qualidade dependem do treinador, e não do escalão competitivo onde a equipa actua. Foggia, equipa da 3ª divisão italiana

"O treinador não tem culpa nenhuma. Mas tu já viste os jogadores que tem? Querias que na 2ª divisão jogassem um futebol de qualidade era?" 

É sempre engraçado ler aquele tipo de comentários. Revelam sempre duas coisas sobre quem os diz: 1º, que não sabem distinguir o que é responsabilidade de um treinador do que é responsabilidade dos jogadores. E em 2º lugar, que acham que a divisão onde a equipa joga e os jogadores que tem, são um impeditivo para PELO MENOS se tentar jogar futebol.

Imagina-se o que fariam jogadores como mais qualidade, se tivessem um treinador com ideias positivas como estas em vez de terem um Hélder de Deus.

Ficam aqui algumas imagens de uma equipa da 3ª divisão italiana chamada Foggia, orientada por Roberto De Zerbi, já anteriormente analisada aqui pelo Bernardo. 


© Domínio Táctico 2012 | Blogger Template by Enny Law - Ngetik Dot Com - Nulis