6 de mai de 2016

45 minutos da organização defensiva de Simeone. A diferença entre defender com muitos e defender com qualidade

Simeone tem mérito em vários factores que fazem parte do ADN deste Atlético de Madrid. A capacidade de motivar os seus jogadores é qualquer coisa de extraordinário. A agressividade que demonstram em cada lance, como se a sua vida dependesse disso, deve-se ao seu treinador e disto ninguém pode ter dúvidas. No entanto, em muitas situações, esta agressividade não se liga à parte táctica. Isto é, apesar dos jogadores do Atlético serem bastantes agressivos em tudo o que são os duelos, revelam muitas fragilidades ao nível do posicionamento, e aqui o culpado é o seu treinador. 

No final dos primeiros 45 minutos da 2ª mão frente ao Bayern, o resultado não era de 4 ou 5 a 0 por causa de erros individuais dos jogadores do Bayern. Não foi graças à organização defensiva do Atlético que o resultado ao intervalo era de apenas 1x0. Defender sempre com muitos e sempre de forma agressiva, está longe, muito longe, de ser sinónimo de defender com qualidade.




















12 comentários:

B Cool disse...

Horrível em termos defensivos, km's de espaço e muitas possibilidades de meter passes para situações 1x0. Jonas e Pizzi dinamitavam isto tudo :P

Blog de Portugal disse...

Desta vez, discordo um bocado deste artigo.

Sem dúvidas que há aí várias falhas, mas é preciso relembrar o que disse Simeone depois do jogo. Que não se lembra de um adversário que lhe tenha colocado tantos problemas como aquele Bayern em 45min.

Mas ainda mais importante, é que algumas das imagens são entendidas como "erros" ou "falhas" quando na verdade são mesmo assim.
Deixo abaixo uma análise extremamente interessante ao Atlético de Madrid, em particular nos momentos defensivos:

http://analysport.fr/atletico-madrid-en/

Depois de lerem isto, ficam com outra perceção do Atlético Madrid.

Pedrooo317 disse...

Cada vez mais me metem impressão estas "análises"...

Haverá alguma equipa que em 45 minutos a espaços não tenha posicionamentos em frames como esses dessas imagens?

Não seria melhor analisar-se o que fez o Bayern com bola de modo a levar a esse comportamento dos jogadores do Atlético?

Calheiros disse...

a questão da agressividade é muito interessante a nível psicológico

quando começa a correr bem consegue condicionar o adversário, que fica mais receoso de cometer erros, acabando por evitar correr riscos e decidir pior

quando começa a correr mal, condiciona quem faz a pressão

Luis Santos disse...

Não concordo... Pensa nas bases dos conceitos: para que queres organização? para controlar os espaços, para chegar à bola antes do adversário, etc... Os jogadores do Simeone reagem tão rápido que não precisam de estar sempre no sítio certo.

É o oposto do Bayern (na linha mais recuada, na frente a intensidade costuma ser bastante elevada). Tem organização, mas depois não tem intensidade e acabam por sofrer muitos golos fruto disso. Não controlam os espaços, apesar de estarem muitas vezes no sítio certo.

Já agora, na imagem em que criticas o posicionamento do Filipe Luís, ele está bem. Quanto muito até está longe do adversário directo, a meu ver. A bola está naquele corredor, ele tem que defender mais junto à linha. Godín é que está muito dentro.

Cumprimentos!

Honoris disse...

"Cada vez mais me metem impressão estas "análises"...

Haverá alguma equipa que em 45 minutos a espaços não tenha posicionamentos em frames como esses dessas imagens?

Não seria melhor analisar-se o que fez o Bayern com bola de modo a levar a esse comportamento dos jogadores do Atlético?"

Não foi o comportamento do Bayern que os levou a desorganizar-se. Aquilo é o padrão defensivo do Atlético.

Honoris disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Honoris disse...

"Não concordo... Pensa nas bases dos conceitos: para que queres organização? para controlar os espaços, para chegar à bola antes do adversário, etc... Os jogadores do Simeone reagem tão rápido que não precisam de estar sempre no sítio certo."

Falso, falso, falso. Eles precisam e deviam estar no sítio certo. Se viste bem os primeiros 45 minutos, sabes que o que acabaste de dizer é falso. Reagiram sempre tão rápido? Então o Bayern podia ter chegado ao intervalo a golear porquê?

"Já agora, na imagem em que criticas o posicionamento do Filipe Luís, ele está bem. Quanto muito até está longe do adversário directo, a meu ver. A bola está naquele corredor, ele tem que defender mais junto à linha. Godín é que está muito dentro."

Na minha opinião ele devia estar mais dentro, mas como não estava, também acho que a linha defensiva podia ter basculado mais. Independentemente de quem é que devia ou não estar mais dentro, é demérito defensivo do Simeone este tipo de comportamentos

Luis Santos disse...

Ok, não me expliquei bem. Claro que devem estar no sítio certo. Mas conseguem chegar ao chegar primeiro, mesmo não estando. Era isso que queria dizer.

Não vi o jogo, acredito que neste caso nem sempre o tenham conseguido. Mas se falharem num jogo por época, estão muito bem. São os que menos falham defensivamente.

Atenção, eu também acho que eles cometem erros a nível de posicionamento, principalmente em dinâmicas e na distância lateral-central. Onde queria chegar com o meu raciocínio, é que mesmo cometendo esses erros, conseguem resolver.

Em relação à situação do Filipe Luís, acho que é uma questão mais subjectiva. Eu sigo o princípio das contenções e coberturas. Como tal, estando a bola onde estiver, a equipa tem que fazer cobertura às linhas de passe mais próximas, sejam elas no corredor central ou lateral. Eu não queria de todo deixar um jogador como o Douglas Costa receber com espaço.

Só mais uma coisa, não leves a mal as minhas discordâncias. Não é, de todo, um ataque, é uma discussão de ideais. Na Internet, muitas vezes perde-se a noção do tom que os outros querem dar às coisas. E então em blogues...

Abraço!

Honoris disse...

"Em relação à situação do Filipe Luís, acho que é uma questão mais subjectiva. Eu sigo o princípio das contenções e coberturas. Como tal, estando a bola onde estiver, a equipa tem que fazer cobertura às linhas de passe mais próximas, sejam elas no corredor central ou lateral. Eu não queria de todo deixar um jogador como o Douglas Costa receber com espaço."

De acordo. Mas é mais perigoso receber a bola no corredor lateral, ou ser o Muller a receber no corredor central? Acho que em primeiro lugar deve tar sempre a proteção do corredor central, porque é lá que a baliza está. Por isso é que acho que, se a linha defensiva não tiver indicações para bascular tanto, então o lateral não deve estar tão fora antes da bola entrar lá, mesmo que depois tenha mais dificuldades em travar o extremo adversário se a bola entrar no mesmo.

"Só mais uma coisa, não leves a mal as minhas discordâncias. Não é, de todo, um ataque, é uma discussão de ideais. Na Internet, muitas vezes perde-se a noção do tom que os outros querem dar às coisas. E então em blogues..."

Mesmo que achasse que o "tom" era agressivo ou arrogante não levaria a mal, por um simples motivo: fundamentaste a tua opinião. O que não gosto é quando alguém critica algo mas nem consegue sustentar a critica com argumentos

Abraço

MOS disse...

Honoris longe de mim dizer que estás errado nisso(embora leia com cepticismo esse texto em particular), ja que aprendo muito aqui, mas chama a minha atenção o fato de a maioria ou totalidade dessas imagens retratar o primeiro tempo de jogo. Mas no meu caso é mais questionamento do que contestação

Esses comportamentos se repetiram durante o segundo tempo? E durante a primeira mão da eliminatória? Não desconsiderando a impericia da organização defensiva do Atlético mas, nesse caso, não seria merito da equipa de Guardiola que desorganiza qualquer adversário quando tem um rendimento como o do primeiro tempo?

Custo a acreditar que um conjunto com processos tão rudimentares e qualidade técnica "boa" porém não espetacular, seja tão consistente na sua Liga e esteja a fazer tão boas participações na Champions com um processo defensivo na base da vontade e agressividade apenas.

Abraço

Pedro Marques disse...

Boas.

A nível de ocupação de espaço o Atlético está longe de ser o top da organização defensiva. Mas para defender bem não basta retirar espaço é também preciso retirar tempo ao adversário e o Simeone aposta claramente no condicionamento desta variável.

O facto de ser uma equipa que pressiona e muito o portador da bola obriga a maior deslocamento (e mais rápido) do jogador que faz o encurtamento. Mas quanto mais encurtas mais obrigas os teus colegas a ajustar posições (intra e intersectorialmente) e mais vais ter que correr na viagem de regresso. Isso leva a naturais falhas de posicionamento especialmente contra equipas com a qualidade técnica e tática do Bayern (basta espreitar aqueles meinhos c 2 no meio a 1 toque). Ainda assim essas falhas são sobrevalorizadas pelas análises em frames que mostram todo o espaço, mas não contemplam o fator tempo.

Concordo contigo qd dizes que sofrer poucos golos não é sinónimo de defender bem. Isso é especialmente verdade em equipas que têm percentagem de posse de bola muito elevadas e que sofrem poucos golos porque basicamente passam o jogo quase todo a atacar e as equipas adversárias enfiam-se de tal maneira na toca que qd ganham a bola dificilmente fazem golos (o Porto do Lopetegui era um bom exemplo disso). Mas se virmos bem o Atlético é uma equipa que especula muito o jogo passando grande parte dos jogos a defender e mm assim há já várias épocas que sofre muito poucos golos nas várias competições em que participa.

Claro que isso tb está relacionado com um modelo de jogo em que se opta por defender quase sempre com muitos e que implica atacar quase sempre com poucos (e vice-versa). Não é um modelo bonito e que promova as audiências mas tendo em conta os sucessivos resultados contra equipas com mais e melhor qualidade individual é evidente que é um bom modelo naquele contexto específico (aquele treinador, com aqueles jogadores, naquele clube!)

abraço ;-)

© Domínio Táctico 2012 | Blogger Template by Enny Law - Ngetik Dot Com - Nulis