10 de abr de 2017

O jogo sem bola quando a nossa equipa a tem - Jorge Jesus e Francisco Geraldes


"Todos estes jovens têm qualidade individual, mas o futebol tem duas componentes, coletiva e individual. Olhando para os 90 minutos de um jogo, tirando o Messi, em 80 minutos os jogadores não têm bola. Por isso se não ensinarmos os jogadores os aspectos táticos não serve de nada ter muita técnica. Se passa 85 minutos sem bola no pé, não interessa nada. O Messi e o Ronaldo é que passam mais tempo com bola. Nós só olhamos para o jogador quando ele tem bola e não pode ser assim."

Estas palavras foram ditas por Jorge Jesus, há exactamente um mês atrás. Este proferiu-as no sentido de responder a uma pergunta que lhe foi feita por um jornalista sobre a possibilidade de Francisco Geraldes jogar na posição "8", no seu modelo, mas, como se percebe, Jorge Jesus vai um bocado para além dessa questão.

Quanto à afirmação propriamente dita, e que serve de ponto de partida para o post, tenho a dizer que concordo em grande parte com ela, mas que tenho mais reservas quanto à intenção de Jorge Jesus ao dizê-la. Concordo em grande parte porque, de facto, é extremamente comum ignorar-se o que um jogador faz quando não tem a bola em seu poder, quando é exactamente nessa situação que passam a esmagadora maioria do jogo e na qual têm de ser fortes para criarem, através da sua movimentação, os melhores contextos possíveis para a equipa. Mas parece-me que há aqui um certo preconceito de Jorge Jesus, ao usar estas palavras para se referir, em parte, ao caso de Francisco Geraldes.

Quando se fala dele, normalmente gaba-se a criatividade, inteligência e qualidade técnica que possui. E bem, claro. Mas o que pode não ser tão claro, e que servirá de ponto principal deste post, é que essa criatividade e inteligência que ele tem não se manifesta apenas quando ele tem a bola. Também nos momentos em que são os colegas que têm a bola esses atributos aparecem, na forma como ele se movimenta e procura os posicionamentos mais adequados ao contexto e, acima de tudo, que mais agridam o adversário. Jorge Jesus referiu que a maioria dos jogadores passam 80 minutos sem tocar na bola, mas há que ver que, num contexto em que a equipa deles passe mais de 60% dos jogos com bola, a maioria desses 80 minutos em que os jogadores não têm a bola são passados em momentos ofensivos. Segundo a própria lógica de Jorge Jesus, há então que admitir que estes momentos são absolutamente cruciais para definir um jogador, e os parágrafos e pequenos vídeos seguintes servirão para mostrar o que de bom Francisco Geraldes tem, hoje, para apresentar neles.

Como foi dito, a inteligência está longe de se manifestar apenas nas decisões que se tomam com bola. E o notável jogador do Sporting mostrou-o, nos cerca de 15 minutos que passou em campo no jogo do passado sábado, com o Boavista. Já Podence tinha estado a um nível acima do habitual titular (Gelson) a esse respeito, ao procurar muito mais espaços centrais e tentar dar soluções diferentes do habitual, mas com a entrada de Geraldes então viu-se algo que só tem paralelo no que fazia João Mário no ano transacto. Numa ou noutra situação o posicionamento do jogador não foi o ideal (por se aproximar demasiado), mas na maioria das situações esse apoio curto que o jogador forneceu não só era o necessário, como era o que invadia o espaço mais perigoso, sendo normalmente entre sectores de adversários. Mas passemos aos vídeos, que permitirão explicar mais alguns pormenores... Em primeiro lugar, alguns vídeos de acções em que o Geraldes não faz nada de minimamente especial com a bola (em metade dos clips nem sequer lhe toca).





Um pouco por todos estes pequenos clips, salta à vista a intenção do jogador leonino em invadir espaços entre as linhas do adversário, de dar boas linhas de passe horizontais/diagonais quando a bola está no corredor lateral e, acima de tudo, a percepção muito interessante que tem da melhor forma de, realmente, dar essas linhas de passe. Às vezes há a tendência deste tipo de jogadores se aproximarem demasiado do portador da bola a todo o instante, quase como se lha fossem pedir ao pé porque a sua vontade é simplesmente de a terem. Isto faz com que dificilmente (embora não seja impossível) recebam a bola em melhor situação do que a do anterior portador. Já o Geraldes, na clara maioria das situações, procura sempre dar opção num local em que, a receber o passe, se crie qualquer tipo de vantagem (dando um exemplo rápido, como nesta imagem).

É esta qualidade que, parece-me, Jorge Jesus ainda não percebeu exactamente em Geraldes, e que, a juntar a tudo o resto, o leva a ser, a meu ver, claramente a melhor opção para jogar na direita, porque a equipa do Sporting está claramente necessitada de um jogador que, partindo da faixa, ofereça este tipo de dinâmica posicional e ligações a zonas fulcrais em posse.

Mas claro, mesmo jogando pouco tempo, também não podia deixar de ter as suas características acções de qualidade com bola (a tal "qualidade individual" de que Jorge Jesus fala):




O passe a rasgar na 1ª situação será, obviamente, o que mais saltará à vista, mas a calma com que procura uma solução curta e vertical mesmo que dentro da sua própria área e ligeiramente pressionado (embora aqui, diga-se, o momento em questão ajude um pouco) na 2ª situação e especialmente o passe para Alan Ruiz na 3ª indiciam claramente a qualidade dele com bola, que já todos conhecemos.

Para o final, deixei uma situação que considero quase paradigmática. Porque, apesar de curta, mostra muita coisa sobre dois jogadores do Sporting. Dois perfis de decisão e formas de ver o jogo opostas, a meu ver uma (muitíssimo) melhor que a outra. 


Geraldes faz tudo bem. Mal Schelotto recebe a bola, procura dar o máximo de profundidade num primeiro momento, por forma a ou conseguir encontrar espaço nas costas da defesa ou, o mais provável, de a obrigar a recuar rápido, isto enquanto acompanha a corrida do colega. Depois, no momento certo, trava, aproveitando que a defesa ia agressivamente na direcção oposta e oferece uma linha de passe central. Infelizmente para ele, jogadores como Schelotto (que, embora seja um dos piores casos a este respeito, está muito longe de ser o único nesta equipa do Sporting) não sabem muito bem o significado da palavra "travar". Nem da ideia "pensar enquanto jogo à bola", note-se... Em vez de perceber a ideia do colega, nem sequer o viu, qual burro com palas, continuando a correr furiosamente até à bandeirola de canto, conseguindo mesmo "ganhá-lo". Alvalade aplaudiu, pois claro, e só não aplaudiu com uma intensidade muito maior porque o jogo estava resolvido. Este tipo de jogador ter muitos minutos é uma das maiores causas para o insucesso contínuo do Sporting, e aqui refiro-me a muito mais que ao Schelotto, que houve e há vários, ao longo dos anos, que enganam muito mais que ele (também são melhores, o que não é propriamente complicado). Mas isso é conversa para outros posts...

4 de abr de 2017

Man Utd em organização ofensiva: O caminho mais utilizado para chegar ao golo


Continua a campanha deprimente do Man Utd no campeonato inglês (mais jogos sem ganhar do que aqueles que ganhou, sendo que em casa conseguiu apenas 6 vitórias em 15 jogos). No mais recente desaire (1x1 frente ao Everton), bem como em tantos outros jogos, este foi um dos caminhos mais utilizados para chegar ao golo. Muita circulação em U, ou seja, por fora do bloco, com o único objetivo de chegar aos corredores laterais e cruzar para a área. Pouca preocupação em criar condições para penetrar com qualidade pelo corredor central. 

Deixo também um dado surpreendente (ou então não) sobre a época do Man Utd

Man Utd crosses per PL game:
Moyes: 26.7 
Mourinho: 25.4 



© Domínio Táctico 2012 | Blogger Template by Enny Law - Ngetik Dot Com - Nulis