17 de jan de 2019

Do complementar ao fundamental: Bielsa e Sétien.

Marcelo Bielsa tem estado nas bocas de quem anda por dentro do jogo por força de se ter descoberto, e do próprio ter confirmado, que costumava espiar os treinos do adversário. Recentemente fez uma apresentação das observações que fez aos adversários todos, e espantou com isso algum público por fazer da observação, da análise do adversário, da estratégia, uma das armas ao seu dispor para tentar vencer o adversário. Parecendo espantoso que um treinador com um estilo mais vincado, com um estilo mais ofensivo, também utilize informação sobre o adversário para tentar aumentar as suas hipóteses de sucesso, como se não fosse essa uma área complementar.

Vem isto ao caso do valor e da importância que se quer dar a esta vertente para o rendimento, não como área complementar mas como tão importante ou tão fundamental quanto a identidade da equipa.

Com a evolução dos meios de informação e de análise, com as novas tecnologias, a vertente estratégica, a observação do adversário, tornaram-se mais precisas. Hoje é mais fácil recolher e trabalhar a informação, bem como transmitir a mesma aos jogadores. Porém, não foi esta a única área adjacente que cresceu na mesma medida que o jogo. Por exemplo: Estamos hoje mais preparados para prevenir e tratar lesões; A preparação física dos jogadores está num nível elevadíssimo; A nutrição está como nunca antes dentro do jogo; A psicologia cresce todos os dias e os seus métodos são cada vez mais efectivos; O controlo e tratamento do treino é cada vez mais uma ferramenta de optimização do rendimento; O treino está cada vez mais completo e mais evoluído do ponto de vista metodológico, e abrange cada vez mais todas as áreas que complementam o jogo; Etc. Se o jogo cresceu, foi também pela evolução natural de todas as áreas adjacentes ao que se faz dentro das quatro linhas. Porém, o grau de importância de cada uma dessas áreas mantém-se.

Veja-se por exemplo que melhor que a análise e observação per si é a análise e observação especifica. Isto é, a análise e observação dos pontos fortes e pontos frágeis do adversário em relação com a nossa identidade. Quais são as nuances ofensivas e defensivas do adversário que nos vão colocar em dificuldade? Quais são os seus movimentos ofensivos e defensivos que nos vão dar conforto para sermos o que somos normalmente? Quais são os jogadores adversários que têm mais capacidade para romper com a nossa forma de jogar, e quais os que terão mais dificuldade em superar-nos e nos permitirão mais facilmente ligar no nosso jogo?

Quique Sétien numa apresentação aos jogadores para o jogo contra o Real Madrid fez uma previsão de que comportamentos deveriam os seus jogadores adoptar no momento ofensivo para tirar vantagem da forma de pressionar do Real Madrid. Isto sem perder de vista o que fazem regularmente.


Para que a observação seja mais efectiva é necessário que exista uma identidade bem trabalhada - sem o fundamental o complementar perde valor. E deve assumir-se sempre a informação que se tem à priori tem um nível baixo de fiabilidade!, uma vez que os outros treinadores fazem o mesmo trabalho que nós. Ou seja: Assim como eu tento explorar as fragilidades, tento reforçar as nossas fraquezas em relação ao que eles fazem, e tento enganá-lo numa ou noutra nuance, o outro treinador fará o mesmo trabalho em relação à nós. Pode por isso acontecer que o adversário se transfigure completamente e que a estratégia trabalhada durante a semana vá por água abaixo logo no primeiro minuto. E no jogo contra o Real Madrid foi exactamente o que aconteceu: a pressão do Real Madrid não foi a que se esperava, jogaram mais baixos e retiraram o espaço que o treinador do Bétis esperava encontrar. E que resta depois? O jogo acaba na estratégia que se trabalhou, ou haverá algo de uma ordem de grandeza muito superior a tudo isto?

A única coisa que resiste à imprevisibilidade do futebol é o modelo de jogo; é a identidade criada todos os dias em todas as sessões de treino. É o que se trabalha em função de retirar o melhor dos jogadores, e é o que se trabalha durante mais tempo numa época. Os treinos de estratégia são muito poucos em comparação com os outros, e por isso o tempo para os jogadores absorverem a informação é menor. Logo por aí a estratégia nunca será tão importante, até porque a informação de semana à semana se altera. E, ainda há o pequeno problema de nem toda informação ser revelada por existir o risco de descaracterização da equipa: quando há quem por estratégia para anular ou enganar o adversário se esquece de si mesmo, e acaba por anular-se perdido nas nuances do adversário.

Por tudo isso, nunca se poderá comparar a importância do modelo de jogo - de criar uma identidade colectiva - à todas as outras áreas que tão bem complementam o jogo. Marcelo Bielsa explica bem na apresentação aos jornalistas que, apesar de analisar ostensivamente, exaustivamente, e com a maior minúcia possível todos os adversários, o fundamental continua a ser ele, os jogadores, o clube, e os adeptos: A identidade.


PS: Seria interessante ver Bielsa ombrear de igual, ao nível de qualidade individual, com Guardiola, Klopp, ou Sarri. Mas nada seria mais interessante do que vê-lo evoluir no momento defensivo. Um bocadinho de organização zonal, como Sacchi mostrou há mais de duas décadas, seria um upgrade brutal no seu jogo. Ainda assim, como se percebe, desde que continue a marcar mais golos do que os rivais e a defender-se tendo muito mais bola do que o adversário será sempre um treinador importante.

2 comentários:

Tore André Flo disse...

"E deve assumir-se sempre a informação que se tem à priori tem um nível baixo de fiabilidade!, uma vez que os outros treinadores fazem o mesmo trabalho que nós."

É aqui que a tese da "Era da Estratégia" cai com estrondo. Parece uma coisa fácil de entender, mas os arautos da Nova Era, à força de quererem ser a "vanguarda", não conseguem lá chegar.

O modelo, que é a escolha de uma maneira de fazer as coisas, deve também preparar os jogadores para darem resposta a diferentes configurações. Qualquer concepção, independentemente das preferências, deve ter a preocupação de aumentar a compreensão dos jogadores sobre o jogo.

Abraço

David Pereira disse...

Bom dia!

Podemos fazer uma troca de links entre blogues por favor?

O meu é: http://davidjosepereira.blogspot.pt/

Muito Obrigado!

Depois passem pelo meu a confirmar a troca, para eu também adicionar o vosso blogue aos meus links.

© Domínio Táctico 2012 | Blogger Template by Enny Law - Ngetik Dot Com - Nulis